Sábado, 25 de Junho de 2011

Manada cruel

O pânico e o terror, são dos motores que, desde os tempos mais remotos, têm movido o mundo. Terror ao inimigo, hipotético muitas vezes, às epidemias, ao alheio, ao desconhecido...
Mas, nestes medos não se encontra o pavor de ser manipulado, de ser mais uma ovelha no rebanho.
Curiosamente, sentimo-nos melhor ao partilhar opiniões, ao pertencer a um determinado grupo, sendo governados por um líder mesmo que este seja pouco honesto. Talvez pelo medo ancestral que temos em tomar as nossas próprias decisões. Assim é mais cómodo por sermos guiados, temendo sempre transpor os limites impostos, ou por vergonha, como pela sensação de que, se o fizermos, caminhamos para o ostracismo ou para a perseguição dos nossos congéneres.
Desde a mais tenra idade, a violência escolar ensina as crianças a não se afastarem da manada, sendo qualquer indivíduo diferente, seja por que motivo for, objecto das mais variadas agressões pelos colegas, vendo-se assim obrigados a ocultar os seus pensamentos, sonhos e diferenças, por detrás de uma máscara.
Mais tarde, já na juventude, a educação recebida é monocromática, exterminando toda a espécie de diferenciação que porventura haja, sobrevivendo ao crivo imposto pelos colegas de infância.
Não vou aqui afirmar que existe uma conspiração nisso para criar uma sociedade uniforme, porque sem dúvida essa é uma das características do animal que somos, pertencer à manada. Mas, inequivocamente não deixa de ser conveniente aos poderes estabelecidos.
Isto explica como, a submissão ao que é ditado pelo líder, pode obrigar pessoas, em princípio boas e incapazes de prejudicar alguém, a cometer as mais variadas atrocidades.
Da mesma forma, pessoas de bom íntimo, (porque nego-me a pensar que o povo alemão seja particularmente cruel), levaram a cabo, sob ordens, o extermínio dos judeus.
Devemos, assim, questionaram-nos se esta sociedade, no que diz respeito à educação recebida, que por outro lado é um pilar do nosso futuro, não deveria reequacionar os valores incutidos aos indivíduos desde a mais tenra idade, ou caminharemos sucessivamente para as mesmas atrocidades cometidas no passado. No entanto, mantenho a convicção de que disso resultaria um enfraquecimento do poder da classe política dominante.

Deixo aqui fotos da minha filha de 7 anos, sim, a que no ano passado frequentava o infantário, onde se podem ver os ferimentos causados por uma colega da manada do 1º ano.

____  __

 


Alma às 06:36
| comentar
2 comentários:
De naná a 1 de Agosto de 2011 às 23:48
as crianças magoam-se instintivamente e a maior parte das vezes arrependem-se.... acredito que quem fez isso à menina não queria magoar... porque as crianças sabem o que é a dor..só não são educadas em não a praticar.


De Alma a 4 de Agosto de 2011 às 23:26
Tens razão. Poucos dias depois já eram novamente amigas.

Obrigado pelo comentário.


Comentar post

publicados 111 posts:

Tesouros escondidos

Dez minutos

Espero algum dia voltar a...

Dilema

Encontro

Destino

Precisa-se

Pensamento do dia

Vida exemplar

Não me apetece dar título...

A idade interessa?

Infiel... ser ou não ser

A seu lado

Deixa-me entrar

Parabéns ao meu blog...

Encontro com Satanás

Manada cruel

Chocolate

Contigo...

Cinderella

Mendigo

Musica do dia

Sorriso à Lua

Parabéns ao meu blog...

O vento

Palavras

Uma Europa Hipocrita

Vida

É hoje

Ontem, tu e eu

Escudo de pedra

Acordar

E agora...

Festa

O nosso caminho

Percepção do tempo

Desculpa, ainda não sou c...

Escrever um livro...?

Carta à minha filha

ADEUS

Sentimento de impotência

A tempestade

Tudo muda

Teimosia

Sinto a tua falta

Respeito

Um horizonte de possibili...

Onde nasce o ódio

Dizem que

A busca

posts por mês:

Abril 2014

Fevereiro 2014

Abril 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

mais sobre mim:

almas penadas