Sábado, 6 de Novembro de 2010

Contigo...

Pego numa cadeira, sozinho, olhando o horizonte, e não posso evitar pensar em ti...
Os meus desejos transformam-se num sonho doce, no qual estás a meu lado, vendo o mesmo que eu, sentindo como eu este ar quase puro.
Imagino que cai a noite.
Daqui pode ver-se a escuridão do céu que apenas é rasgado pela luz da lua e das estrelas que brilham cheias de força e energia.
Estás ao meu lado quando cai a noite...
Vejo o teu sorriso e os teus olhos brilhantes.
Da tua boca sai um sussurro quase inaudível antes de nos perdermos no mar de sensações que me provoca sentir os teus lábios nos meus...
A noite fica eternamente curta.
Sinto cada segundo ao teu lado, o toque da tua pele, cada momento de puro prazer, até que, extasiados, contemplamos a chegada de um novo dia, vemos juntos o amanhecer...


Alma às 12:48
| comentar | _____________ver comentários (5)
Sábado, 22 de Maio de 2010

Ontem, tu e eu

Descalço, sentindo a areia branca da praia na planta dos pés, deixei voar a minha mente.
Os meus olhos perderam-se na mistura de cores, amarelo, laranja e vermelho que o horizonte me oferecia.
Senti como o cheiro salgado do mar purificava a minha alma e o meu corpo enquanto a minha mente me levava pelos caminhos do pecado.
Estava contigo!
Por momentos perdi a noção do espaço e do tempo.
Apenas uma ínfima corrente de ar separava os nossos lábios, as nossas mãos, os nossos corpos.
A luz da lua devolveu-me a realidade.
Hoje, a corrente de ar é enorme e no entanto sinto-te tão perto...


Alma às 08:36
| comentar
Quarta-feira, 5 de Maio de 2010

Desculpa, ainda não sou capaz...

—Dás-me um beijo?
—Não posso, já não tenho mais beijos!
—Como não tens mais beijos?
—A sério, já não tenho mais. Olha para a minha boca. Vês? Está vazia... Não tenho mais beijos para dar, dei-os todos!
—Pois, pois... Queria mesmo um beijo teu! Está bem, talvez tenha mais sorte outro dia...
—Espera, tenho algo neste bolso. Olha! É um beijo. Um beijo enorme! Se esperares um momento, ponho-o na minha boca e poderei dar-to. Agora, rápido, que vem alguém e tira-to!


Alma às 23:38
| comentar | _____________ver comentários (2)
Segunda-feira, 19 de Abril de 2010

Sinto a tua falta

Sinto muito a tua falta!
Talvez não sinta falta de ti mas sim do que me fazias sentir.
Sinto falta dos momentos, da ilusão da espera, dos rituais antes de te ver.
E penso que sinto a tua falta...
Talvez não sinta falta de ti porque poderias ser qualquer uma, e fazer-me sentir o mesmo, a mesma vontade de te ver, de te sentir, de te tocar...
Sinto falta de alguns sonhos que sem ti não existem,
Sinto falta da esperança de um novo dia igual a tantos outros,
Sinto falta das borboletas que voavam nas minhas entranhas.

Sabes?
As borboletas ainda existem mas estão cansadas, já não voam como antigamente, aceitaram a nova condição de borboletas sem asas.
Passam o dia adormecidas e à noite...

Nessas noites em que sinto a tua falta, quando te procuro e não te encontro, quando duvido que tenhas sido tão real, quando realidade e imaginação se unem, quando a minha loucura me domina e te chamo silenciosamente.

Sim, sinto a tua falta!


Alma às 22:38
| comentar | _____________ver comentários (4)
Quinta-feira, 15 de Abril de 2010

Dizem que

O amor é sempre novo. Não interessa que amemos uma, duas ou dez vezes na vida, estaremos sempre perante uma situação desconhecida.
O amor pode levar-nos ao inferno ou ao paraíso, mas leva-nos sempre a algum sitio.
É necessário procurar o amor onde quer que esteja, mesmo que isso demore horas, dias ou semanas de decepção e tristeza.
Há que encontrá-lo, e para isso teremos de o desejar do fundo do coração para que venha até nós ou para que possamos ir até ele.


Alma às 21:06
| comentar
Domingo, 4 de Abril de 2010

Onde estás?

Onde deixamos as palavras de amor?
Quando é que as trocamos por punhais?
As mesmas palavras, as mesmas duas bocas que se uniam em suaves beijos...
Palavras antes doces, agora amargas.
Em que momento mudamos tanto que deixei de te conhecer?
Recordo noites de sonhos e desejos, esperança no futuro, planos de passeios ensolarados...
Onde está isso tudo?
Não é passado...
Hoje temos os mesmos sonhos, os mesmos desejos, as mesmas esperanças. Talvez tenhamos ainda mais.
E no entanto... não fazemos mais que nos odiar.


Alma às 02:45
| comentar | _____________ver comentários (2)
Sábado, 3 de Abril de 2010

O que é o amor?

O amor é um cúmulo sensações, emoções e sentimentos que chega a ser tão forte e poderoso que no seu extremo é irresistível.

É tão grande o sentimento que embarga o ser humano nesse momento, que não pensa, não raciocina, apenas se deseja estar com o ser amado a todo o custo, tudo ao redor muda de significado, os pequenos detalhes ganham grande importância, esquecendo-se por vezes de levar uma vida activamente normal.

O amor, diz-se que é um mal-estar no estômago que se apodera da nossa vontade e não ouve razões. Vive dentro de nós, manifestamo-lo em alguém especial desejando brotar tudo de bom que se tem para dar, e quando esse alguém se vai embora, não é o amor que se perde, esse permanece aí, precisamente onde nasceu porque o amor é a nossa essência e aí continua adormecido, expectante para encontrar outro ser humano que sinta e partilhe gostos e desejos, sonhos e ilusões.

O amor entrega-se, partilha-se, manifesta-se de todas as formas e condições possíveis, sem olhar a religiões ou culturas. Todos o sentimos, todos o transmitimos, é o amor que move o mundo, é a ternura, o carinho, o respeito aos outros. O amor tem de ser demonstrado quando é preciso, sacrificado quando necessário.

O amor em si é o sentimento que te faz amar, sofrer, chorar e perdoar. Nasce dentro de nós e aí permanece esperando ser acordado e manifestar-se em toda a sua magnificência, e digo isto porque é maravilhoso viver enamorado, albergar no nosso coração tão delicado sentimento, faz-nos estremecer as emoções, sonhar com o possível e chorar o impossível.

É tão maravilhoso que nos acorda de noite, faz-nos sonhar acordados, alegra-nos quando o temos e morremos quando o perdemos, e mesmo assim continuamos amando.


Alma às 23:33
| comentar | _____________ver comentários (2)
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2009

O rumo da vida

É curioso como em apenas um segundo podemos mudar o rumo da nossa vida. A vida segue um determinado caminho, e de repente tomamos uma decisão que, mesmo sem darmos conta, muda de sentido para um caminho distinto.

Que teria acontecido se nessa noite não tivesse saído?
Que teria acontecido se nessa noite não te tivesse acompanhado a casa?
Que teria acontecido se não tivesse ficado até ao fim da noite?
Que teria acontecido se não te tivesse olhando fixamente nos olhos?

Tudo seria diferente, e não quero saber como seria, porque é graças a essas pequenas decisões, somadas às que tu tomaste, que hoje sou feliz.
Todos os dias tomamos centenas de decisões que, sem nos apercebermos, nos mudam a vida. Qualquer pequena alteração, ou ausência da mesma, modifica todo o nosso futuro.

"O bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo." (teoria do caos)

Hoje estou contente com todos os erros que cometi, com todas as decisões que tomei ao longo da minha vida, as boas e as más, porque se tivesse trocado apenas uma eu não estaria aqui, e é aqui onde eu quero estar.

Agradeço a mim mesmo por todos os erros do meu passado.


Alma às 21:21
| comentar | _____________ver comentários (1)
Sexta-feira, 18 de Setembro de 2009

Novamente jovem

Há já umas semanas que a frase "não me interessa se vou morrer agora mesmo" deixou de fazer sentido. Tenho vontade de viver, de ser feliz, de beijar, de me apaixonar perdidamente, de sair, de respirar... tenho vontade de ser novamente jovem, e não quero saber se o mundo está mal, não quero saber de nada porque já sacrifiquei a minha felicidade por me preocupar com algo que não posso solucionar. Daqui em diante dedicar-me-ei a viver, a não me arrepender de algo que não fiz... de te dizer vem e te dar um beijo mesmo que não sejas a mulher da minha vida, ou talvez sim??? Não vou parar para pensar nisso, simplesmente vou desfrutar-te enquanto puder e quiser... porque mereço ter novamente 18 anos...


Alma às 20:06
| comentar | _____________ver comentários (4)
Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009

Triste sapatinho de cristal...

Triste sapatinho de cristal, caíste por umas enormes escadas, às zero horas em ponto, na escuridão da noite.
Depois de teres dançado horas e horas a noite inteira sem poder descansar...
Construído por uma fada madrinha, feito de cristal...
Encontrou-te um belo príncipe, para apaixonar, desejando que te desse um beijo, para te converter na sua PRINCESA, do seu conto...
Pobre sapatinho de cristal como rainha te levaram, sobre uma colcha vermelha, que era uma almofada.
Tu esperavas ser bem recebida diante do teu príncipe encantador, desejosa de ter o seu amor, mas o único que recebeste foram centenas e centenas de mulheres... dispostas a ser tuas para apaixonar o teu belo príncipe e ser suas esposas,
Muitas empurravam e empurravam ao não entrar no teu interior... tu gritavas NÃO mas ninguém te ouvia,
Outras tantas eram tão pequenas que caías ao chão de tão grande que eras para elas, para não mencionar o odor de algumas que te deixava sem respiração... E tu destroçada de dor... que únicamente querias ser a PRINCESA do teu amado príncipe, aquele que te resgatou na noite, depois de sofrer e sofrer...
No final chegou uma bela jovem, entrou no teu interior sem te magoar... e o teu príncipe caiu rendido a teus pés... e apaixonou-se não de uma jovem mas sim de uma mulher com um sapatinho de cristal...
Ele casou-se com ela e foram felizes comendo perdizes, entretanto, tu triste sapatinho de cristal, que apenas querias o seu amor...
Diz-me, que é feito de ti?


Alma às 00:17
| comentar | _____________ver comentários (4)
Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

O verdadeiro amor

 Há muito, muito tempo, um homem repreendeu a sua filha pequena de 5 anos, por desperdiçar um rolo inteiro de papel para embrulhar uma caixa.

A menina, apesar da repreensão, deixou a caixa embrulhada por baixo da àrvore de Natal e na manhã seguinte, quando todos abriam os presentes, ofereceu-a ao seu pai dizendo: "Isto é para ti, papá".

O pai, sentiu vergonha da reacção do dia anterior e, em lágrimas, abriu o presente. Mas, ao ver que no interior da caixa não havia nada, disse à filha com um tom severo: "Ó menina, sempre que se dá um presente tem de haver algo dentro!"

A pequena, quase a chorar disse: "Ó papá, não está vazia, enchi-a de beijos para ti".

O pai, comovido, abraçou a sua filha e pediu perdão.

Com o passar do tempo, a menina cresceu, fez-se uma mulher e foi viver para longe. O seu pai, sempre que sentia saudades da filha, metia a mão na caixa e tirava um beijo imaginário. Assim se enchia o homem de todo o amor que lhe ofereceu a filha.

tags: , ,

Alma às 23:08
| comentar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts por mês:

Abril 2014

Fevereiro 2014

Abril 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

tags

todas as tags

mais sobre mim:


quem sou?

seguir perfil

. 20 seguidores

almas penadas